petroleiroanistiado

A great WordPress.com site

PETRÓLEO – As consequências do entreguismo do governo Temer.

Deixe um comentário

Setor de petróleo nacional ficará sem conteúdo local, sem empregos, sem dinâmica econômica e sem tributos!

Hoje o governo Temerário está decidindo o fim da política de conteúdo local que gerou milhares de empregos na indústria para atender ao setor de petróleo e gás.

Só recentemente a Fiesp e a Firjan – cujos presidentes há muitos não são mais industriais – “perceberam” que estavam sendo engolidos.
O estrago será enorme e faz parte da sanha golpista.
A disputa coloca de um lado as corporações que exploram e produzem (petroleiras) e de outro a indústria de bens e serviços do setor.
As petroleiras (todas, especialmente as estrangeiras) querem trocar as exigências atuais que vem desde 2005, estruturadas e fiscalizadas pela ANP que exige percentuais nacionais em 90 itens das instalações, por uma vaga exigência de 40% de índice global e único.
A indústria de bens e serviços diz que com esta mudança, o conteúdo local (nacional) será zero. Repito zero porque tudo será importado.
Por quê? Porque os serviços no setor de petróleo já respondem sozinho por 50% da demanda, cabendo aos bens os demais 50%, na instalação de plataformas, sondas e embarcações especiais.
Agora que o pato (Fiesp e Firjan) foi pressionado pelos donos das indústrias, eles descobriram que isso irá reduzir o PIB do setor em 13 vezes, os empregos e salários cairão mais de 11 vezes e os impostos arrecadados pelo governo em 17 vezes.
Sim, e assim querem um esforço fiscal apenas cortando direitos, mais uma vez abrindo mão das receitas.
O resultado disto é a repetição em nível muito mais grave do que se via no governo FHC, com a construção de plataformas movimentando a economia, gerando empregos e tributos no exterior.
A situação hoje é muito pior, porque a nossa indústria naval já chegou a ter mais de 80 mil empregos e o setor de petróleo e gás chegou a alcançar 13% do PIB brasileiro, quando na década de 90, não chegava a um terço disto.
A pressão das petroleiras estrangeiras sobre o “acessível e comprometido” governo Temerário é enorme e começa com uma organização que tem o Brasil apenas no nome: o Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP).
Para se ter uma ideia do que está vindo por aí, apenas nos últimos dias, o ministro da Minas e Energia e seu secretário de Petróleo e Gás receberam em audiências os presidentes e representantes das petrolíferas: Shell, Esso, BP, Total, Statoil, etc. De quebra, também o embaixador dos EUA.
É o Brasil descendo a ladeira e assumindo mais e mais sua dependência e subordinação.
Neste rumo, a Petrobras será, após esquarteja, paulatinamente, apenas uma empresa que produz algum petróleo, da mesma forma, que se dá com a petroleira da Nigéria, Angola e outros países que abriram mão de agregar valor neste setor que possui uma imensa cadeia produtiva.
E olha que foi a Petrobras que descobriu o pré-sal que está agora sendo entregue. É a Petrobras que tem e desenvolveu boa parte do know-how de exploração offshore, especialmente, em águas profundas.
Anúncios

Autor: carlosadoria

MANTÉM SUAS UTOPIAS DE 60 ANOS ATRÁS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s