petroleiroanistiado

A great WordPress.com site

PRÁ ONDE CAMINHA O SETOR PETRÓLEO?

Deixe um comentário

A economista Clarissa Lins e seu sócio na consultoria Catavento, Leonardo Bastos, aceitaram o
desafio do IBP de olhar o mercado de petróleo e gás para os próximos anos e apontar tendências
A economista Clarissa Lins e seu sócio na consultoria Catavento, Leonardo Bastos, aceitaram o
desafio do IBP de olhar o mercado de petróleo e gás para os próximos anos e apontar tendências.
Não é uma tarefa fácil, é claro. Clarissa conta que as empresas associadas ao instituto demonstraram
muito interesse em entender como será o mundo comandado pela Geração Y, que será um
consumidor cada vez mais exigente e não necessariamente disposto a pagar mais pelo que cobra. O
estudo traz reflexões sobre o que está acontecendo no mundo e o que pode acontecer no Brasil e
mostra que as petroleiras precisam olhar cada vez mais localmente para as suas atividades.
Clarissa Lins recebeu a Brasil Energia Petróleo logo após o anúncio feito pela Statoil da criação de
um fundo de investimentos com US$ 200 milhões para pesquisas em energias renováveis. A
consultora alerta que as petroleiras não estão abandonando o setor, mas terão que mudar para
garantir o sucesso que conseguiram nos últimos 50 anos. “A postura do CEO é determinante para
que a empresa de fato se abra para uma conversa maior”, comenta.
As petroleiras estão abandonando o barco e vão investir em energias renováveis?
Não. De forma alguma. As empresas de óleo e gás ainda têm muito trabalho e muitos desafios pela
frente. O que está posto é a necessidade de atender a várias demandas da sociedade e, às vezes,
demandas novas. A principal delas é uma energia menos intensiva em carbono. As petroleiras que
entenderem e capturarem essa demanda mais rapidamente estarão melhor posicionadas para lidar
com esses desafios.
Então ainda há espaço para a energia vinda de combustíveis fósseis…
Sim. Mas há uma demanda latente por inovação e tecnologia para que as emissões sejam mitigadas.
As petroleiras têm um papel nisso e devem ter, por conta de toda capacidade de desenvolvimento
tecnológico, mas há também espaço para novas fontes energéticas.
Mas a queda no preço do petróleo pode atrapalhar essa entrada de novas fontes?
Talvez coloque um pouco mais de dúvida sobre a velocidade. Mas não muda a direção. A direção
está dada. Mas não são energias que hoje consigam atender a demanda do mundo. Claramente as
energias fósseis têm seu papel garantido.
As petroleiras estão entendendo esse novo mundo?
Aqui no Brasil, o IBP contratou esse estudo, percebendo necessidade de trazer informação para as
empresas. É um sinal claro que o IBP entende que o setor energético está em transição e existe uma
demanda da sociedade para que outras alternativas tenham espaço. Na Europa há um nível de
conscientização muito maior. Lá existem investidores que cobram isso. Existem governos que cobram
isso. E tem os EUA com visões diferentes. Por um lado, alguns investidores se posicionando pedindo
esclarecimento sobre as opções energéticas e suas consequências e as empresas muito refratárias.
As empresas americanas estão menos proativas nessa direção.
Shell e Statoil podem liderar esse movimento?
São as empresas que estão mais abertas para conversar com diversos atores sobre essa
necessidade de adaptação. Essas empresas querem ouvir vozes que falam outra língua. Elas estão
se preparando para um mundo diferente.
As demais petroleiras vão acompanhar esse movimento?
O setor de energia é mais conservador. Depende muito de alguns fatores. A postura do CEO é
determinante para que a empresa de fato se abra para uma conversa maior. O arcabouço regulatório
nos países tem que favorecer. É preciso ter regras claras. E as políticas climáticas e compromissos
globais. Tem uma frase famosa do Ben Van Beurden: mais do que o preço do petróleo, as políticas
18
energéticas serão influenciadas pelas políticas climáticas. Os executivos que não entenderem esses
fatores não conseguirão replicar o sucesso que as empresas tiveram, daqui pra frente. Agora, cada
empresa tem seu ritmo e sua realidade. As empresas já entenderam que o mundo dos próximos 50
anos será diferente.
Qual deverá ser o papel do gás natural neste mundo em mudança?
O gás certamente oferece benefícios de menor intensidade de carbono. O gás pode vir a oferecer
soluções. Me parece que essa é uma direção a ser seguida, sobretudo deslocando o carvão para a
geração de energia. Na questão do transporte, ainda está em um estágio menos maduro. Deve ser
um pouco mais longo.
E como serão as petroleiras em 2040?
Muito mais conectadas com o consumidor final do que hoje. Entendendo qual é a sua demanda. Mais
próximas da sociedade. Muito mais próximas dos governos locais. Tradicionalmente as petroleiras
são próximas dos governo centrais. O CEO da Shell, Ben Van Beurden, esteve várias vezes com a
presidente Dilma Rousseff nos últimos anos. Não sei quantas vezes ele esteve com os prefeitos ou o
governador. Existirá uma mudança do eixo. E serão empresas abertas a inovações e para soluções
em escala menor.
Como fazer isso num mercado globalizado como o petróleo?
Não vão poder abrir mão de ser um ente geopolítico. É uma indústria que vai muito além das
fronteiras naturais. Mas será importante somar credenciais para poder dialogar mais localmente. Não
é substituir. É somar expertises.
E não é possível continuar igual?
Não tem como.
A tendência é que as petroleiras sejam cada vez mais empresas de energia?
Qualquer empresa integrada de óleo e gás, que tem a pretensão de ser relevante para a sociedade
nos próximos 50 anos, está procurando entender de que forma vai fazer as parcerias necessárias
para prover soluções de energia. Não sei dizer se as empresas vão fazer isso sozinhas. Talvez não.
Mas certamente serão empresas muito mais de energia do que de óleo e gás.
As petroleiras não tem hoje diálogo com o consumidor final. É o principal desafio que vem por
aí?
Não é apenas com um ator que será necessário dialogar. O consumidor é importante. O investidor é
importante. O parceiro tecnológico.
E qual é o perfil desse consumidor?
É um consumidor muito mais tecnológico e urbano. A tecnologia vai fazer ele poder controlar o uso da
sua energia. É um consumidor que está disposto a entender de onde vem essa energia. E que não
abre mão da qualidade do fornecimento. É o mais exigente de todos e não necessariamente está
disposto a pagar mais.
A transparência vai ser fundamental então.
Esse é um ponto fundamental. Cada vez mais esse cidadão urbano vai cobrar. As empresas terão
que ser muito mais transparentes do que são hoje.
A capacidade de pesquisa e desenvolvimento da indústria de óleo e gás vai fazer a diferença
nessa transição?
Tem que fazer. É uma quebra de paradigma. A indústria precisa da precificação do carbono para
equalizar os projetos e deixar que o mercado encontre as soluções necessárias.
É possível imaginar que a sociedade exija um mundo sem combustíveis fósseis em algum
momento?
19
O G-7 tem um desejo de descarbonização completa até 2100. A sociedade vai exigir soluções
energéticas cada vez menos intensivas em carbono.
Mas é possível ter combustíveis fósseis menos intensivos em carbono?
Tem algumas correntes que dizem que na tecnologia de CCS, ao sequestrar e armazenar o carbono,
ela descarboniza a fonte. Que outras soluções podem existir com a precificação? A sociedade exige
soluções energéticas menos intensivas.
Abrir o mercado é fundamental para isso, não?
O mercado mais aberto é mais saudável. Torna a eficiência o grande vetor do crescimento. O
ambiente mais propício para inovação faz surgir coisas novas que não estão no nosso radar.
O Brasil recuou nessa transição com a descoberta do pré-sal?
Recuou quando houve a decisão de parar os leilões e deixar de conceder à Petrobras o benefício de
fazer parcerias e escolher suas áreas. Não tenho dúvida. Mercado fechado não favorece a inovação.
O pré-sal é um avanço. A decisão do governo de fechar o país é que precisa ser mudada. Foi um
desserviço. Um atraso na nossa vida.
A entrada de novos atores pode trazer recursos para o Brasil fazer essa transição?
Sim. Essas empresas geram recursos para P&D, novas ideias, novos modelos de negócios. Aspectos
saudáveis para o crescimento da indústria.
Fonte: Revista Brasil Energia

Anúncios

Autor: carlosadoria

MANTÉM SUAS UTOPIAS DE 60 ANOS ATRÁS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s