petroleiroanistiado

A great WordPress.com site

PETROBRAS – Alternativas para melhorar a dívida.

Deixe um comentário

Presidente da Petrobras fala em nova captação para melhorar dívida

O presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, disse nesta terça-feira (16) que a estatal pode recorrer a
captações para equacionar o seu elevado endividamento. Sem detalhar o tipo de operação que pode
ser realizado, Bendine apenas sinalizou que essa pode ser uma opção para melhorar o perfil da
dívida da companhia, hoje concentrada em moeda estrangeira.
No mês passado, no entanto, a Petrobras cancelou um plano para emitir R$ 3 bilhões em debêntures,
alegando condições desfavoráveis do mercado.
A possibilidade de promover uma captação foi citada por Bendine ao ser questionado sobre a
viabilidade de a companhia cumprir sua meta de desinvestimento sem considerar a venda de ativos
do pré-sal. A estatal pretende arrecadar US$ 14,4 bilhões até o final do ano para reduzir a sua dívida
de US$ 130 bilhões. A empresa tenta preservar o negócio de exploração e produção, tentando
vender ativos em outras áreas, como a BR Distribuidora,a Transpetro e usinas termelétricas, entre
outros.
Durante evento realizado em Santos (SP) para anunciar o início da produção de petróleo na área de
Lula Alto, no campo de Lula, e da segunda rota de escoamento e tratamento de gás no pré-sal,
Bendine destacou a relevância de manter os investimentos no principal negócio da empresa, apesar
das dificuldades financeiras da companhia.
“Você tem duas alternativas (para manter os investimentos). Uma delas é buscar captações que
sejam necessárias”, disse Bendine a jornalistas. A segunda possibilidade seria buscar parcerias para
dar andamento aos projetos.
“É claro que vamos dar prioridade ao desinvestimento, a empresa precisa desalavancar um pouco a
sua dívida, que é bastante elevada. Mas temos outras alternativas”, disse. “Há possibilidade de
parcerias, mas o nosso foco permanece no pré-sal. É nisso que a gente vai continuar apostando.”
Questionado sobre a possibilidade de a estatal vender participações em projetos a outros operadores,
Bendine mais uma vez não quis entrar em detalhes.
“Temos ‘n’ modelos para atuar nesse sentido, como a capacidade da empresa de fazer parcerias em
determinado campo, onde um parceiro possa carregar alguns investimentos. Mas eu não vou me
precipitar em relação a isso, até porque são negociações intensas e estamos com um portfólio de
discussão de desinvestimento muito amplo. Não caberia entrar em detalhes tão técnicos, até porque
isso pode atrapalhar as nossas negociações”, acrescentou.
O presidente da Petrobras destacou ainda que a empresa não parou de investir. “Devemos fechar
2015 com investimentos acima de US$ 20 bilhões.” Desse montante, 82% foram destinados à
exploração e produção de petróleo, com ênfase no pré-sal, destacou.
Para 2016, ele sinalizou que a companhia já definiu a sua capacidade de investimento e que esta
será divulgada em breve.
MUDANÇA DE MODELO
O presidente da Petrobras também evitou comentar a possibilidade de a empresa deixar de ser a
operadora única do pré-sal, afirmando que essa decisão cabe apenas ao governo.
“Costumo dizer que a companhia não tem e nem deve se pronunciar a respeito de legislação. Ela tem
simplesmente de cumprir aquilo que é dado. Temos capacidade de trabalhar em qualquer um dos
regimes que está em vigor.”
6
Bendine reconheceu que, num momento de fragilidade financeira como o atual, a Petrobras teria
dificuldades para assumir novos investimentos em exploração. “Mas também, por outro lado, temos
de entender que o preço do Brent não é convidativo para que a gente faça um leilão neste momento.”
Diante das dificuldades pelas quais passa a indústria mundial do petróleo, Bendine disse considerar
que a discussão sobre os modelos de exploração seja até inoportuna. “Mas, diante do fato de que o
Congresso quer fazer (essa discussão), estamos prontos a dar a nossa opinião técnica”, disse.
PRÉ-SAL
No evento realizado em Santos, a Petrobras anunciou o início das atividades na área de Lula Alto, no
campo de Lula. O navio plataforma (FPSO) Cidade de Maricá, que tem capacidade de produzir até
150 mil barris por dia, começou a operar neste mês.
Segundo a diretora de exploração e produção da Petrobras, Solange Guedes, o pré-sal já responde
por 35% da produção brasileira de petróleo, dez anos após a sua primeira descoberta. Ainda neste
ano, a estatal pretende colocar em operação mais dois sistemas de produção no pré-sal.
A empresa também anunciou o início da operação da segunda rota de escoamento de gás natural
produzido no pré-sal da Bacia de Santos. Com 401 quilômetros de extensão, o gasoduto, conhecido
como Rota 2, possui capacidade para escoar 13 milhões de metros cúbicos de gás por dia,
interligando os sistemas de produção do pré-sal com um terminal de tratamento de gás em Macaé
(RJ).
Com o novo gasoduto, a capacidade total de escoamento de gás natural do pré-sal sobe para 23
milhões de metros cúbicos por dia. “Com esse projeto, avançamos no objetivo de ampliar a
participação do gás nos negócios da Petrobras”, disse Solange Guedes.
Fonte: Folha de S. Paulo

Anúncios

Autor: carlosadoria

MANTÉM SUAS UTOPIAS DE 60 ANOS ATRÁS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s