petroleiroanistiado

A great WordPress.com site

PETROBRAS – Talvez não haja mais tempo.

Deixe um comentário

Talvez não haja mais tempo

Autor: Edson Monteiro

A profundidade das ponderações geopolíticas de Paulo Metri e o conhecimento técnico factual de Fernando Siqueira ensejam ao Conselho Diretor do Clube de Engenharia uma posição de vanguarda nas discussões sobre a questão petróleo.

Essa afirmação não pressupõe a exclusão de quem quer que seja no debate. Aliás, o mesmo Conselho guarda em suas fileiras a expressiva presença de Guilherme Estrella, seguramente a mais qualificada personagem do enredo “pré-sal” brasileiro.

Contudo, em que pese o indiscutível posicionamento vanguardeiro do citado Conselho, pouca é a sua influência no contexto decisório nacional onde os segmentos legislativo e executivo do País, o “lobby” das empresas petrolíferas e as instituições reguladoras e fiscalizadoras específicas influenciam pragmaticamente as decisões maiores, cercando, lamentavelmente, de inutilidade prática aquelas ponderações profundas e aquele conhecimento factual.

Na raiz da questão está o isolamento popular da empresa nacional que desde sua criação negligenciou a tarefa cultural de tornar-se visível ao povo brasileiro como instrumento inteligente de obtenção de soberania. A criação da Petrobrás deveria ter sido acompanhada de uma iniciativa de inclusão do assunto “petróleo brasileiro” na grade de disciplinas de formação do então ciclo secundário. E, convenhamos, o apelo nacionalista que cercou sua gênese — 1953 — justificaria facilmente tal inclusão curricular. Ao contrário disto, a empresa se autocolocou no pedestal de excelência em tecnologia — e não se discute sua eficiência nesse universo técnico —, mas fez-se distante do povo — para quem é essencial — e corre o risco de não contar com a sua ajuda efetiva na tentativa de se reerguer como “empresa orgulho dos brasileiros”.

Na tarefa de diminuir o valor da Companhia perante a sociedade, a mídia parceira daqueles “lobbies” salienta as falcatruas recém-descobertas na sua gestão e chega a sentenciar o “pré-sal” como uma falácia, como um tesouro inútil ao País. Recentemente, parte das redes sociais da Internet vêm fazendo chacota das declarações presidenciais que, há um ano atrás, anunciavam a Nação Educada e de Saúde Controlada decorrente da exploração daquela riqueza. Aqueles que por razões ligadas à sua formação técnica compreendem a empresa pelo viés técnico e geopolítico — ínfima representação da sociedade brasileira — se ressentem da ausência de posições socio-nacionalistas capazes de incluir o povo na discussão, do que resulta uma espécie de discussão meramente corporativa — as representações sindicais dos petroleiros — nas quais, supostamente, são defendidos os interesses classistas e não os interesses nacionais.

Assim, simultaneamente à tarefa de enganar o povo, as forças infinitas daqueles que há 63 anos aspiram dominar o petróleo brasileiro, cuidam de sua alienação política, como o fazem com o nióbio e as terras raras e com todas as benesses naturais do planeta marcadas no território brasileiro. Faça-se uma enquete popular pelo Brasil inteiro e busque-se saber quem sabe o que significa o Nióbio, e que posição natural o Brasil ocupa na escala mundial de suas jazidas. O resultado da enquete todos sabemos.

Se a escola é o instrumento desalienador e se a educação é mesmo o passaporte para a verdadeira independência, que se insira nos “curricula” de formação dos nossos jovens, disciplinas que tratem especificamente das nossas riquezas, se possível com uma certa dose de ufanismo. Paulo Metri e Fernando Siqueira dispõem de farto material de referência para tal fim. Não custaria nada para a Nação. Bastaria organizar e imprimir e tornar obrigatório o seu conhecimento para um bom resultado nos ENEM.

Insistir em privilegiar os conceitos do mercado — na marcha globalizante do neoliberalismo — e contribuir com o pragmatismo de progresso dissociado da sensibilidade e do conhecimento médio popular — que é o caso das manifestações de orgulho técnico usufruído apenas por minorias — torna dispensável a bandeira nacional e dispersa aqueles poucos que ainda demonstram paixão no que concerne à defesa dos direitos nacionais e sociais do Povo.

Alimento a esperança de que existam outras formas de trazer o povo à luta, de fazer chegar a ele a verdade, mas reconheço a minha utopia. As limitações de inteligência impedem-me outras sugestões pacíficas de doutrinação.

Nota: Não pedi autorização prévia aos colegas citados. Confio que eles me creditam essa licença e reconheço a importância do papel que eles desempenham no esclarecimento popular sobre a questão petróleo.

Edson Monteiro, 12 de janeiro de 2016.

Anúncios

Autor: carlosadoria

MANTÉM SUAS UTOPIAS DE 60 ANOS ATRÁS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s