petroleiroanistiado

A great WordPress.com site

PETROBRAS – Pressão para alienar ativos.

Deixe um comentário

Sob pressão, Petrobras tenta acelerar alienação de seus ativos.

Sob pressão para obter US$ 15 bilhões em 2016 com seu programa de desinvestimento, a Petrobras
encaminha a venda de usinas térmicas, dos terminais de regaseificação de GNL de Pecém (CE) e do
Rio de Janeiro, enquanto prepara a BR Distribuidora para atrair um sócio estratégico. A estatal
também pôs à venda a TAG, que reúne sua rede de gasodutos, e a Liquigás, segunda maior
distribuidora de gás de cozinha (GLP) do país.
Os 49% da Braskem estão à venda desde o ano passado. Maior petroquímica da América Latina, a
Braskem, que é controlada pela Odebrecht, enfrenta um processo judicial nos Estados Unidos.
Apesar dos esforços da empresa para alienar ativos, o processo pode não gerar valor para os
investidores em ações da Petrobras, segundo afirma o analista Luiz Carvalho, do HSBC em relatório
distribuído ontem para clientes do banco. “Entendemos que agora ‘o dinheiro é rei’ para a Petrobras,
mas para os acionistas a empresa pode estar destruindo valor, dependendo do múltiplo da
transação”, afirmou Carvalho ao comentar sobre a venda da Braskem.
Até agora a Petrobras anunciou três operações de desinvestimento no ano passado, nas quais
arrecadou um total de US$ 826 milhões. Além dos 49% da Gaspetro vendidos para a Mitsui,
concluída por US$ 700 milhões (equivalentes a R$ 1,93 bilhão), a Petrobras anunciou outros dois
desinvestimentos em 2015. Vendeu 20% dos campos de Bijupirá e Salema (Bacia de Campos) para a
PetroRio por US$ 25 milhões; e os ativos de exploração e produção na bacia Austral na Argentina,
por US$ 101 milhões para a Companhia Geral de Combustíveis.
Em relação à BR Distribuidora, a companhia continua buscando no mercado tanto sócios como um
novo presidente para a subsidiária. Mas a dificuldade, no caso de um executivo vindo do mercado, é
o salário, admitiu uma fonte qualificada, citando também as conhecidas amarras de uma estatal entre
as condições adversas.
Atualmente, a BR é dirigida por Carlos Alberto Tessarollo, diretor financeiro que assumiu o cargo
interinamente depois da saída de José Lima de Andrade Neto. Até que o cargo seja ocupado, a
distribuidora vai se concentrar mais na operação e redução dos custos. Nas palavras da fonte, a BR
vai passar por um “segundo choque de governança”, ou “fazer as coisas certas e competitivas”
enquanto não recebe um novo sócio. A fonte disse que existem vários interessados na distribuidora
de combustíveis, sem mencionar nomes ou o número de interessados.
A rede de postos adquirida em diversos países da América Latina também está à venda, assim como
a Petrobras Energía S/A, na Argentina. Na exploração e produção existe data-room para os campos
de Tartaruga, Golfinho, Baúna. Por ser um campo já com produção antecipada, Tartaruga teve
interesse da anglo-australiana BHP Billiton, que é uma das donas da Samarco junto com a Vale. Mas
a BHP recuou depois do acidente com uma barragem de rejeitos de mineração em Mariana, que deve
custar bilhões em indenizações, informou uma fonte do Valor.
É esperado um pacote com a oferta de áreas em águas rasas e terra, sendo que a maior vantagem
de vender esses ativos deve vir mais da transferência dos investimentos para terceiros do que do
volume de recursos envolvido. Participações em áreas onde a Petrobras tem sócios como Libra, no
pré-sal, também foram oferecidas para a Shell e as chinesas CNOOC e CNPC.
No fim do ano passado, o diretor financeiro da estatal, Ivan Monteiro, e a de exploração e produção,
Solange Guedes, se reunirem com diversos investidores potenciais para apresentar os ativos à
venda. Segundo uma fonte, voltaram com sugestões para mudar parâmetros da oferta, como
contratos para garantia de suprimento de insumos para as empresas que estão à venda, disse uma
fonte qualificada.
5
Recentemente, especulava-se no mercado sobre a possibilidade de a estatal oferecer uma fatia em
Lula, o campo mais emblemático do pré-sal. Mas a venda de ativos em produção vai ter reflexos na
receita futura da companhia, o que não agrada investidores preocupados com o pagamento das
dívidas.
Apesar da urgência admitida pela administração da companhia, a avaliação de observadores é que
seu processo de venda de ativos está desorganizado. “Faltam dados nos data-room e a impressão é
de que eles não têm pressa de vender ou que existe má vontade”, disse uma fonte a par do assunto.
Desde a administração de José Sergio Gabrielli, passando pela de Graça Foster, a Petrobras tenta
vender os ativos de exploração e produção nos Estados Unidos. Com Aldemir Bendine, a venda se
tornou urgente devido a grande expansão da alavancagem financeira da estatal.
Fonte: Valor Econômico

Anúncios

Autor: carlosadoria

MANTÉM SUAS UTOPIAS DE 60 ANOS ATRÁS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s