petroleiroanistiado

A great WordPress.com site

BRASIL EXPORTA QUARTZO, MAS NÃO DOMINA A TECNOLOGIA DA LUZ SOLAR.

Deixe um comentário

Mesmo ensolarado por natureza, o Brasil enfrenta um problema crônico para expandir a produção de energia solar: os equipamentos são importados, com alto custo, o que torna a eletricidade gerada cara demais. Como o país é o maior fornecedor mundial da matéria-prima para a fabricação dos painéis solares – o quartzo –, bastaria que o processo de construção dos aparelhos fosse nacional para que o barateamento dos custos servisse de incentivo à ampliação do uso de uma energia renovável ambientalmente menos impactante. A Itaipu Binacional, referência em geração hidrelétrica, está prestes a abrir um novo flanco, garantindo condições para que a matriz energética no Brasil seja ainda mais limpa.

A reportagem é de Katia Brembatti e publicada no jornal Gazeta do Povo, 24-03-2013.

A cidade paranaense de Foz do Iguaçu e o distrito paraguaio de Hernandárias estão a caminho de se tornarem um polo de sustentabilidade, oferecendo soluções na busca da pegada zero de carbono. O projeto intitulado “Silício Verde” é ambicioso e está na fase de avaliação da viabilidade econômica.

O superintendente de Energias Renováveis de Itaipu, Cícero Bley Júnior, reconhece que a fabricação de painéis solares não é um processo simples – ou alguém já teria feito no Brasil. “São seis fases. Cada uma delas altamente tecnificada e complexa”, diz. Mas ele destaca que é possível. Hoje o país exporta, ao ano, 230 mil toneladas de quartzo extraído de jazidas principalmente em Minas Gerais. Em formato de rocha ou apenas com um simplificado processamento, os cristais vão para China, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos e Alemanha para a fabricação de painéis fotovoltaicos. “A China produz placa solar com carvão. Ou seja, finge que está fazendo energia limpa”, diz Bley Júnior.

Parceiros

O governo estadual e a Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) são aliados da Itaipu no projeto Silício Verde. Juntos, estão pagando o projeto de viabilidade econômica. Bley Júnior destaca o fato de o Brasil não agregar valor ao quartzo extraído. “O que sai daqui por R$ 1 volta por R$ 1 mil”, comenta. Além da questão monetária, tem o fator logístico. A rocha viaja até 20 mil quilômetros para depois voltar ao país, passeando por igual distância, em forma de placa solar. Bley Júnior reforça que o uso de energia solar está sendo expandido no mundo e, de dependente de equipamentos importados, o Brasil pode passar a exportador de tecnologia.

Devolução do excedente evita desperdício

Uma decisão preponderante para ajudar a deslanchar a energia solar no Brasil foi tomada recentemente, quando o governo mudou as regras do jogo e passou a aceitar a devolução do excedente gerado de eletricidade – que é “jogado” na rede. Sem essa possibilidade, restava ao sistema fotovoltaico desperdiçar a energia gerada em horários de pico, com muita incidência solar, ou buscar formas de armazenar, em baterias, o que era gerado. “A devolução é a saída para vencer alguns problemas da energia a partir de hidrelétricas, como a logística de distribuição. Com a energia solar, o processo é descentralizado. Ela é usada onde é gerada”, comenta Cícero Bley Júnior, superintendente de Energias Renováveis da Itaipu Binacional.

A energia gerada na hidrelétrica também deve abastecer o sistema de produção fotovoltaica. “Cada quilowatt aplicado pela Itaipu é multiplicado e vai gerar onze vezes mais energia. É um ciclo virtuoso, limpo e renovável”, comenta. A ideia é formar, no entorno da usina, um polo nos mesmos moldes da cadeia automotiva, em que uma série de empresas menores e fornecedoras, que processem vidro e borracha, por exemplo, participem da rede. A estimativa é que o projeto vire realidade concreta, com produção industrial, em quatro anos.

Ministério reconhece necessidade de investir em industrialização

A importação dos aparelhos torna a energia solar inviável, na avaliação de João Américo Vilela, professor de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Paraná. “Competir com o preço de outros tipos de energia é quase impossível. Mas é preciso investir nessa área para diversificar a matriz energética”, comenta.

Sobre a exportação in natura de cristais de quartzo, um relatório recente do Ministério de Minas e Energia indica que “é necessária a aplicação, a curto ou médio prazo, de uma política de estímulo a industrialização interna visando agregação de valor à matéria-prima mineral e a solução da dependência externa de produtos industrializados.”

Para Paulo Bastos, um dos fundadores da Sol Bravo, empresa paranaense que desenvolve tecnologias na área de aplicação fotovoltaica, todos os custos embutidos na produção hidrelétrica, como comunidades atingidas e áreas alagadas, não estão sendo contabilizados na hora de avaliar o preço da energia no Brasil. Ele também destaca que, apesar disso, o investimento concreto na energia solar se paga num período de dez anos. O empresário acredita que o barateamento dos aparelhos, a partir da fabricação nacional, seria um incentivo à expansão dessa alternativa. “Colocaria o Brasil no mapa da produção e também do uso”, acredita.

300 mil euros ou R$ 780 mil é o custo orçado para o levantamento de viabilidade econômica do projeto “Silício Verde”, capitaneado pela Itaipu Binacional. Consultores brasileiros e estrangeiros estão analisando se o projeto se sustenta. A estimativa é de que implantar a fabricação de painéis fotovoltaicos deve consumir 1 bilhão de euros (R$ 2,6 bilhões). Com o estudo de viabilidade em mãos, o que deve acontecer até o final do ano, a intenção é conseguir os recursos com fundos de investimento.

Alto custo

O secretário nacional de Planejamento e Desenvolvimento Energético, Altino Ventura, afirmou que, em quatro ou cinco anos, a energia solar deverá ter um custo competitivo e passará a integrar a matriz energética brasileira. Segundo ele, hoje o custo de geração desse tipo de energia é três a quatro vezes maior do que o de outras fontes. No entanto, o custo desse tipo de energia cai, em média, de 15% a 20% ao ano. No caso da energia solar, o custo oscila entre R$ 300 e R$ 400 por megawatt, enquanto que a média das outras fontes de energia é de R$ 100.

Fonte:IHU

Autor: carlosadoria

MANTÉM SUAS UTOPIAS DE 60 ANOS ATRÁS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s